Follow by Email

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

O que é Batismo de Fogo em Lucas 3:16 ?


O QUE É BATISMO DE FOGO EM LUCAS 3.16  

Respondeu João a todos, dizendo: Eu, na verdade, batizo-vos com água, mas eis que vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar a correia das alparcas; esse vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (Lucas 3.16).    
Quando lemos a Bíblia é necessário levarmos em consideração uma série de fatores. Para obtermos o significado real de um texto é oportuno lançar mão das regras de hermenêutica levando em conta os abismos: cultural, geográfico, linguístico, histórico etc.

Outro fator importante é diferenciar referência real de referência verbal. A primeira leva em consideração textos que estão relacionados uns com os outros; a segunda leva em consideração somente os textos onde consta determinada palavra estudada. Em um estudo usando somente as referências verbais podemos incorrer em usar um texto que, muito embora encontremos a palavra que estudamos, não esteja relacionado ou não tenha o mesmo significado ou aplicação de outro. Devemos levar em conta a semântica das palavras.     

Vejamos: 
Em Marcos 16.16 o texto refere-se a que tipo de batismo? Caso seja batismo em águas, então o texto defende que essa ordenança é condição Sine Qua Non* para a salvação?  

Em João 6.53 Jesus está ensinando a antropofagia? Certamente que não.    

A palavra FÉ tem significados diferentes em Hebreus 11.1; 1 Coríntios 12.9; Gl 5.22; At 6.7.

COMENTÁRIOS ACERCA DE LUCAS 3.16 E MATEUS 3.11 E CONTEXTOS
O que seria então esse batismo de/com fogo? Já ouvi muita coisa acerca desse assunto. Alguns até entendem que, além do batismo no Espírito Santo o cristão teria a possibilidade de receber também o “fogo” que seria algo além da crença pentecostal de falar em línguas e a atualidade da ação dos dons espirituais. Seria algo místico ainda maior. Tal interpretação, além de gnóstica, não tem respaldo bíblico.        

Para entender o significado desse texto deveríamos observar com cuidado o contexto. O que está acontecendo? Quem falou? Para quem falou? Qual a situação histórica e teológica? Como podemos aplicar as verdades obtidas para os nossos dias? Enfim, devemos realizar a exegese do texto.

Tanto em Mateus 3.4-12 e Lc 3.2-17 encontramos o ministério de João o Batista cumprindo Isaías 40.3, preparando o caminho do Senhor, testemunhando acerca do ministério de Cristo. Neste contexto, encontramos as pessoas que desejavam por ele ser batizadas e também fariseus e saduceus (Mt 3.7), além de publicanos e soldados (Lc 3.12,14).      

Observamos as palavras duras de João o Batista acerca do ministério de Cristo com relação aos desobedientes (Mt 3.7-10; Lc 3.7-9); inclusive em Lucas 3.9 a palavra “fogo” está relacionada com juízo da parte de Deus. Ainda no mesmo capítulo de Lucas no versículo 17 a palavra “fogo” também se refere a juízo, condenação. O versículo 17 não está isolado do versículo 16 e nem do contexto geral do assunto tratado aqui.   

O mesmo ocorre em Mateus 3.10 onde a palavra fogo segue o padrão de juízo e também no versículo 12 o sentido não muda. Entre esses versículos aparece o texto (v.11) onde João diz que Jesus: “... vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.”. Será que nos versículos 10 e 12 a palavra fogo significaria juízo e no versículo 11 significaria alguma espécie de bênção? Não me parece provável.          

Vale ressaltar também que existem vários tipos de batismos na Bíblia e essa palavra deve ser entendida dentro do seu contexto e nem todas as ocorrências dessa palavra estão relacionadas com batismo em águas ou no Espírito Santo. Inclusive o batismo de João era diferente do batismo cristão.

COMENTÁRIOS DE OUTROS AUTORES
A Bíblia de Estudo Plenitude no texto de Lc 3.16 remete para um comentário de Mt 3.11 como segue:

“O batismo de João é um tipo de experiência de salvação de ser batizado no Espírito. Como o batismo de João colocava o indivíduo dentro da água, o batismo de Jesus coloca o cristão no Espírito, identificando-o como totalmente ligado ao Senhor. O fogo purifica ou destrói. Portanto, a salvação em Jesus Cristo será purificadora para os verdadeiros judeus que o aceitarem como o Messias, e destruidora para aqueles que o rejeitarem.”

A Bíblia de Estudo Genebra comenta assim a questão do fogo em Lc 3.16:
“O batismo com fogo aponta para o juízo (v.9 nota). A pá para limpar sua eira’ é outro símbolo para o juízo (v. 17)...”. 

A Bíblia de Estudo NVI assim comenta o mesmo texto:
“... e com fogo. Aqui, o fogo está associado ao juízo (v.17)...”.

A Bíblia de Estudo Shedd analisa o texto assim:
“... Fogo. O contexto (17) parece exigir o sentido de prova, de  julgamento (Lc 12.39-53; 1 Co 3.13).”  Ainda a mesma Bíblia comenta Mt 3.11 assim: “Com o Espírito Santo e com fogo. Refere-se ao ministério espiritual de Cristo. Sua obra começou acompanhada pela energia sobrenatural do Espírito Santo, colhendo-se algum ‘trigo’ (os fiéis), e revelando-se quem seria ‘palha’ para julgamento. A doutrina do batismo no Espírito Santo não recebe luzes neste trecho, pois o assunto pertence à época posterior à ressurreição de Jesus (1 Co 12.13)".   

R. N. Champlin, em sua obra “O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo”, relaciona o texto de Lc 3.16 com o comentário de Mt 3.11, como segue: “...Há várias interpretações dessas palavras: 1. Alguns acham que aqui temos dois batismos, um do Espírito e outro de fogo, e que esse último fala de juízo, provavelmente até de inferno. Assim interpretaram Origines e outros pais da igreja...alguns bons intérpretes reputam esse batismo de fogo como algo que se refere ao juízo.

FOGO COMO SÍMBOLO DO ESPÍRITO SANTO  ( Atos 2.3).
O fogo, como símbolo do Espírito Santo, fala da sua grande força  em relação às diversas maneiras de sua operação, para corrigir os defeitos da nossa natureza decaída e conduzirnos à perfeição que deve adornar os filhos de Deus. Mais do que isto, o fogo fala da ação purificadora do Espírito Santo. O Espírito Santo é comparado ao  fogo que aquece, ilumina, espalhase e purifica.

CONCLUSÃO   
Devemos tomar muito cuidado ao interpretar a Bíblia, pois muito embora o Senhor não tome em conta o tempo da ignorância (Atos 17.30), é Seu desejo que cresçamos em graça e conhecimento (2 Pe 3.18; Oséias 6.3).    

É importante conhecer as regras de hermenêutica e, além de tudo, ter humildade para aprender do Senhor a cada dia.


Pr. Roberto C. Cruvinel
Presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Ministério Pleroma
Diretor da Escola Teológica Pr. Virgílio dos Santos Rodrigues

www.adpleroma.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário