Follow by Email

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Estudo sobre Elias

ELIAS, UM PROFETA HUMILDE E DETERMINADO


Dr. Caramuru Afonso Francisco
 A vida de Elias ensina-nos que a determinação, isto é, a disposição firme de servir a Deus e cumprir o seu ministério é qualidade indispensável para alcançarmos a vitória espiritual.
INTRODUÇÃO
- Na seqüência do estudo de algumas personagens bíblicas para melhorarmos os nossos caminhos diante de Deus, analisaremos a vida de Elias, o grande profeta levantado por Deus no reino de Israel (o reino do norte, o reino das dez tribos), num momento de grave crise espiritual.
- O ilustre comentarista quis realçar, na vida de Elias, duas características: a humildade de espírito, virtude que já estudamos quando estudamos a vida de Davi e a determinação, entendida esta como a disposição firme de cumprir integralmente a missão que lhe foi confiada pelo Senhor. Estes traços fizeram de Elias o modelo do profeta do Antigo Testamento.
I – BIOGRAFIA DE ELIAS (I) – ELIAS, O PROFETA QUE APRENDE A TER EXPERIÊNCIA PESSOAL COM DEUS
- Elias é daquelas personagens da Bíblia de que nada ou quase nada sabemos antes do início do seu ministério, circunstância que demonstra claramente que a Palavra de Deus tem o intuito de revelar aquilo que é pertinente à salvação do homem, sendo, obviamente, uma obra literária, histórica e científica, mas que não tem estes vieses como prioritários, sendo, pois, um grande equívoco querer reduzir o texto sagrado a estes aspectos.
- Elias surge nas páginas sagradas em I Rs.17:1 e de forma repentina, sem qualquer explicação, nem mesmo da sua genealogia, como é costumeiro fazer-se quando se trata, pelo menos, de personagens da história de Israel. É apresentado apenas como “Elias, o tisbita, dos moradores de Gileade”. Seu nome, que, em hebraico é ‘Eliáhu” (“Elias” é a forma grega do nome), significa “Javé é Deus” e sintetiza, de forma sublime, todo o seu ministério profético: demonstrar ao povo do reino de Israel que o seu Deus é Javé, o mesmo “Eu sou o que sou” que havia Se revelado a Moisés no monte Horebe.
- Da forma abrupta como Elias é apresentado no texto sagrado, ficamos a saber tão somente que o profeta é natural de Tisbe, sendo dos moradores de Gileade. Esta informação, além de escassa, traz uma série de problemas aos estudiosos da Bíblia, visto que a única menção que se faz desta cidade é no livro apócrifo de Tobias, onde é dito que se tratava de uma cidade que se situava na tribo de Naftali, na região da Galiléia, enquanto que o texto sagrado diz que Elias era “dos moradores de Gileade”, ou seja, alguém que morava na região daquém do Jordão, pertencente à meia-tribo de Manassés e à tribo de Gade (Js.13:24,25,30,31). Assim, ficamos sem saber se Elias morava em Gileade, tendo sido natural de Tisbe de Naftali ou se era de uma cidade chamada Tisbe que ficasse do outro lado do Jordão, na região de Gade ou da meia-tribo de Manassés. Flávio Josefo, o grande historiador judeu, parece concordar com a idéia de que se tratava de uma cidade de Gileade que se chamava Tisbe, enquanto que a Septuaginta chama a cidade de “Tisbe da Galiléia”, acolhendo a outra versão.
OBS: Eis o texto de Tobias 1:2, na Edição Pastoral: “No tempo de Salmanasar, rei da Assíria, Tobit foi exilado de Tisbé, que fica ao sul de Cedes, em Neftali, na Galiléia do norte, acima de Hasor, a ocidente, ao norte de Sefat.” Reproduzimos aqui, também, parte do texto de Flávio Josefo, nas Antigüidades Judaicas: “Havia agora um profeta do Deus Misericordioso, de Tisbe, uma cidade de Gileade, que veio a Acabe…” (JOSEFO, Antigüidades Judaicas 8:319. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/cgi-bin/ptext?doc=Perseus%3Atext%3A1999.01.0146;query=whiston%20chapter%3D%23115;layout=;loc=8.363 Acesso em: 31 maio 2007) (tradução nossa de texto em inglês).
- Além do local de onde vem Elias, e que já dá margem a controvérsias, sobre Elias ficamos apenas a saber que se tratava de pessoa que tinha um traje característico, diferente daqueles usados pelas pessoas de seu tempo, tanto que bastava a descrição desta vestimenta para identificá-lo, a saber: “…um homem vestido de pêlos e com os lombos cingidos de um cinto de couro…” (cf. II Rs.1:8). Isto nos dá a entender que Elias deveria ter uma vida mais ou menos retirada da comunidade, uma espécie de “eremita” no deserto, o que, aliás, inspirou algumas ordens religiosas cristãs, notadamente a ordem dos “carmelitas”, que se inspiraram em Elias para construir a sua vida monástica.
- No entanto, embora Elias demonstre, pelos seus trajes e pela forma repentina com que se apresenta na história sagrada, que deveria viver um tanto quanto retirado da comunidade, não é correto dizer que haja respaldo bíblico para dizer que vivia isolado dos demais homens do seu tempo. Pelo que podemos observar do texto sagrado, percebemos que Elias tinha uma relação bem próxima aos chamados “filhos dos profetas”, ou seja, aos jovens que se dedicavam ao estudo da Palavra de Deus e a uma vida de serviço ao Senhor nas “escolas de profetas”, cuja origem remonta aos tempos de Samuel (I Sm.10:5; 19:20). Com efeito, as páginas sagradas permitem-nos vislumbrar que Elias tinha um estreito relacionamento com estes grupos (II Rs.2:2, 4), sendo até possível que Elias tenha sido uma figura proeminente de tais grupos quando se apresentou ao rei Acabe, o que, aliás, explicaria a facilidade com que tenha conseguido se apresentar ao rei.
- Apesar de tão parcos conhecimentos a respeito de Elias antes do início do embate com Acabe, Jezabel e os responsáveis pelo culto de Baal, tais informações já nos são preciosas no sentido de se mostrar que alguém, para ser usado eficazmente pelo Senhor, precisa ter dois pontos que havia na vida de Elias: um distanciamento do mundo e um comprometimento com a Palavra de Deus.
- Elias não era uma pessoa que havia se misturado com as estruturas religiosas desvirtuadas e contaminadas do reino de Israel. Nos dias de Elias, vivia Israel uma situação espiritual extremamente difícil. O rei era Acabe, filho de Onri, o fundador da terceira dinastia (família real) do reino de Israel, o reino do norte, o reino das dez tribos que haviam se separado de Roboão, neto de Davi (cf. I Rs.12:16-25). Esta terceira família reinante não se apartou do pecado de Jeroboão, o primeiro rei de Israel (reino do norte), que havia criado um culto próprio, fazendo sacerdotes dos mais baixos entre o povo, e levando o povo a adorar dois bezerros de ouro, um situado em Dã e outro em Betel (cf. I Rs.12:26-33), tendo, além disso, Acabe se casado com Jezabel, filha do rei de Sidom, que, ao se mudar para Israel, trouxe com ela o culto a Baal, o deus da fertilidade dos fenícios, criando, assim, um culto rival ao culto a Deus.
- Servir a Deus nestas circunstâncias não era nada fácil, pois, ou se adotava o culto oficial do reino, criado no tempo de Jeroboão, idolátrico e totalmente desvirtuado das prescrições da lei de Moisés ou, então, se aderia ao culto a Baal, trazido por Jezabel e que alcançou grande popularidade. Isto explica o distanciamento físico não só de Elias mas também dos filhos dos profetas, que não tinham espaço para, com liberdade, servir a Deus em meio a estruturas sociais altamente desfavoráveis a quem buscasse a presença do Senhor.
- Mas, ainda que possamos contemplar este distanciamento físico de Elias e dos demais que serviam a Deus naquele tempo, devemos ter como lição para os nossos dias deste comportamento do profeta não o distanciamento físico, mas, sim, o distanciamento espiritual. Embora muitos tenham se inspirado em Elias para tomar uma decisão de se apartar da sociedade a fim de servir a Deus, a lição que o profeta nos deixa é bem outra: é a da separação do mundo espiritual, da separação do pecado. Na nova aliança estabelecida por Jesus Cristo, não há espaço para “eremitas”, para pessoas que saem da sociedade para servir a Deus mas, sim, pessoas que, a exemplo de Jesus, estão completamente separadas do pecado, mas vive no meio dos pecadores, para “…salvar alguns, arrebatando-os do fogo” (Jd.23 “in initio”, isto é, a parte inicial do versículo). Jesus disse que não somos do mundo, não podemos nos comprometer com ele (Jo.17:16), mas não pediu que do mundo fôssemos tirados(Jo.17:15), porque é necessário que sejamos sal da terra e luz do mundo (Mt.5:13,14).
- A outra lição que aprendemos com Elias, já neste instante em que ele surge nas Escrituras, é de que devemos estar sempre comprometidos com o estudo da Palavra de Deus, com a busca da presença de Deus. Elias tinha um carinho especial com os “filhos dos profetas”, com aqueles que, em meio a um mundo tão distante de Deus, dedicavam suas vidas para servir ao Senhor e informar-se a respeito da Sua Palavra. Devemos ter este mesmo compromisso, devemos nos aliar àqueles que têm este mesmo propósito. Ao nos reunirmos em classe, a cada Escola Bíblica Dominical, pomos em prática este exemplo deixado por Elias e, certamente, agradamos a Deus tanto quanto o profeta Lhe agradou no seu tempo.
- Elias surge no texto sagrado já desempenhando uma tarefa toda especial da parte de Deus. As Escrituras sempre mostram Elias na execução de uma tarefa, no desempenho de um encargo que lhe fora confiado pelo Senhor. Neste ponto, há até um paralelo entre a forma como se narra a história de Elias e como Marcos, o evangelista, narrou o ministério de Jesus, que, naquele livro, é apresentado como o incansável servo do Senhor, como um homem de ações e de atitudes.
- Impulsionado pelo Espírito de Deus, Elias se apresenta diante do rei Acabe e declara que não haveria nem chuva nem orvalho enquanto o próprio profeta não o pedisse a Deus(I Rs.17:1). Numa frase tão curta e sucinta, como é este versículo das Escrituras, encontramos um exercício imenso de fé, a conclusão de um processo que não deve ter sido simples. Elias, um profeta que vivia retirado da sociedade, é levado pelo Espírito a se apresentar nada mais nada menos que diante do próprio rei e a dizer que haveria uma grande seca até o instante em que ele pedisse a Deus que chovesse. Que coragem da parte do profeta! Que determinação, ou seja, que disposição firme de cumprir a Palavra de Deus!
- Aliás, aqui é oportuno mostrar que, quando se diz que Elias foi determinado, que nele era grande a determinação, estamos a utilizar a palavra “determinação” no seu significado correto e prescrito nos dicionários de língua portuguesa, ou seja, “forte inclinação a ser persistente no que se quer alcançar”. Assim, esta “determinação” nada tem que ver com o que têm ensinado os defensores da chamada “doutrina da confissão positiva”, entendida como uma “fé real”, uma “tomada de posse de bênção”, uma “exigência ao inimigo para nos obedecer”. Elias jamais foi alguém que tenha “determinado” neste sentido distorcido que nos é apresentado pelos arautos da “confissão positiva”, mas uma pessoa “determinada”, ou seja, disposta a persistir no cumprimento das ordens que lhe deu o Senhor.
- Elias simplesmente disse ao rei Acabe que não choveria nem haveria orvalho enquanto ele não orasse a Deus neste sentido. Nesta primeira palavra de Elias já se nota a missão que incumbiria ao profeta: mostrar que o Senhor era o verdadeiro Deus e não Baal. Baal era uma divindade que se entendia ser a controladora da natureza. A Baal se atribuía a fertilidade, ou seja, não só a reprodução dos animais, mas também a produção agrícola. Por isso, Baal era tido como o responsável pelas chuvas que permitiam as fartas colheitas e era costume entre os povos cananeus, inclusive os fenícios, procurar agradar a Baal e ter pequenas estatuetas deste deus e de Asera, a deusa da fertilidade, como forma de obter o favor deste deus e, assim, prosperidade na colheita. Ao dizer que não choveria até que houvesse um pedido do profeta a Deus, o Senhor está mostrando que é maior que Baal,  que Ele, e não esta falsa divindade, tinha o controle sobre a natureza.
OBS: Como era e é comum nos cultos idolátricos, a divindade é sempre associada a alguma imagem ou a alguns locais. Assim, Baal e Asera eram cultuados sob vários nomes, conforme o local onde se dava o culto, com uma ou outra variação nas crendices e nas lendas a respeito da divindade. Nos dias de Elias, o culto a Baal certamente estava vinculado a Baal-Mecarte, o deus de Tiro e de Sidom (Tiro foi uma cidade fundada pelos sidônios – Is.23:12).
- Assim que proferiu esta palavra ao rei, Elias foi orientado pelo Senhor para que saísse dos termos de Israel e fosse para o ribeiro de Querite, que estava diante do Jordão (I Rs.17:3). Como afirma R.N. Champlin, esta ordem divina tinha a ver com a proclamação dada por Elias e que “…sem dúvida alguma, isso provocou uma tremenda agitação e a vida de Elias começou a correr perigo…” (CHAMPLIN, Elias. In: Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia, v.2, p.328).
- Elias, que até então, havia demonstrado dedicação a Deus, vivendo distanciado fisicamente de uma sociedade ímpia e buscando a presença do Senhor, juntamente com os “filhos dos profetas”, passa a ter a experiência da dependência completa de Deus. Denunciar o pecado e anunciar o juízo divino não é uma tarefa fácil e o serviço a Deus traz inevitável aborrecimento do mundo e dos pecadores. Não pensemos nós que servir ao Senhor é alcançar popularidade, respeito e medo dos ímpios, mas, bem ao contrário, é acirrar os ânimos das hostes espirituais da maldade contra nós. Deus mandou que Elias fugisse e fosse até um ribeiro, provavelmente situado na região de Gileade, para que ali ficasse protegido e não sofresse os danos da seca que havia anunciado.
- Temos uma outra importante lição, qual seja, a de que Deus é o garantidor do cumprimento da Sua Palavra. Certamente não foi fácil para Elias acatar a ordem divina de desafiar o próprio rei, mas, ao fazê-lo, Deus, que bem sabia os riscos que o profeta passava a correr, encarregou-Se de providenciar ao profeta proteção e sustento, já que o juízo divino afetaria a própria subsistência do povo.
- Deus passou a sustentar o profeta que, junto a um ribeiro, onde havia água necessária à sua sobrevivência, passou a ser alimentado por corvos, que lhe traziam pão e carne pela manhã e pela noite (I Rs.17:6). Como diz o apóstolo Paulo, “…Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias, e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes, e Deus escolheu as coisas vis deste mundo e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são: para que nenhuma carne se glorie perante Ele” (I Co.1:27-29). Como poderia Elias ser alimentado por corvos, animais que são conhecidos por serem decompositores, ou seja, que se alimentam daquilo que está apodrecendo, daquilo que está se desfazendo, e num momento em que passou a haver escassez de alimentos? Como ser alimentado por um animal tão asqueroso, tão repugnante? Entretanto, como disse o Senhor, havia sido dada uma ordem aos corvos para alimentar o profeta e, ante a ordem divina, não há como haver recusa.
- Elias, toda manhã e toda noite, era servido pelos corvos, que, pontualmente, cumpriam a ordem do Senhor. Deus, assim, mostrava, duas vezes ao dia, ao profeta que estava no controle de todas as coisas, que toda a natureza estava sob as Suas ordens. Era uma experiência singular para Elias, que tinha de enfrentar o culto a Baal, apresentado como “deus da natureza”. Elias não só deveria saber intelectualmente que Deus era o único Senhor, mas também precisaria vivenciar, experimentar esta realidade. Muitas coisas por que passamos, ao longo da vida, tem este objetivo da parte de Deus: fazer-nos vivenciar, experimentar quem é Deus e qual é o Seu poder. Nunca nos esqueçamos de que, quando a Bíblia fala em “conhecer a Deus”, não está se referindo ao significado grego, adotado por nós na atualidade, de “domínio intelectual”, mas, sim, o de “ter intimidade”, “ter experiência”. E, como diz Paulo, a experiência com Deus é o resultado da paciência, que, por sua vez, é conseqüência da tribulação (Rm.5:3,4).
- Dia após dia, Elias era alimentado pelos corvos, mas a seca que anunciara já era uma realidade. Por isso, dia após dia, as águas do ribeiro de Querite iam minguando, até o momento em que o ribeiro secou. Deus continuava a agir na vida de Elias, demonstrando que tinha o controle da situação, mas que estava a guardar o profeta e só a ele. Os corvos vinham lhe trazer comida, mas o ribeiro se secava, em cumprimento à palavra do profeta, que tudo dissera em nome do Senhor. Deus tem compromisso com a Sua Palavra (Jr.1:12) e não a invalidará, ainda que isto representasse a proteção e o sustento dos Seus servos fiéis. Deus não precisa invalidar a Sua Palavra para guardar os Seus!
- Quando o ribeiro secou, Deus, então, mandou que o profeta fosse para Zarefate, cidade pertencente a Sidom, pois o Senhor havia ordenado a uma viúva que sustentasse o profeta (I Rs.17:9). Vemos, aqui, que Deus, depois de mostrar que tinha controle sobre a natureza, estava agora a mostrar ao profeta que também era o controlador da humanidade e das estruturas sociais.
- Em primeiro lugar, Deus manda que Elias deixe a região de sua morada, a região de Gileade, região que lhe era conhecida, para que fosse a uma terra estrangeira, um lugar desconhecido, de outros costumes, onde o profeta não poderia se valer de seus conhecimentos de vida. Tratava-se de mais um passo de fé que se exigia do profeta, prova de que Elias havia galgado mais um patamar da vida espiritual. Como diz o apóstolo Tiago, quanto mais nos chegamos a Deus, mais Ele Se chega até nós (Tg.4:8). Entretanto, esta aproximação com Deus, que é sempre boa (Sl.73:28), exige de cada um de nós um desprendimento cada vez maior. Quando nos propomos a prosseguir no conhecimento de Deus (e conhecimento, lembremos, na Bíblia é ter intimidade, ter experiência), mais nos envolveremos com o Senhor e isto fará com que necessitemos confiar mais nEle. O profeta Oséias ressalta esta realidade ao dizer que, quando iniciamos nosso conhecimento com Deus, Ele nos aparece “como a alva”, ou seja, como a luz da aurora, que traz seu brilho mas é, de certa forma, distante, mas, na continuidade deste conhecimento, o Senhor “…virá a nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os.6:3 “in fine”), ou seja, já não estará mais distante, estará em nós, envolver-nos-á, como a chuva da época da colheita, a chuva abundante, que tudo molhava, que embebia e encharcava a terra.
- Deus, ao mandar que Elias deixasse sua região e fosse para uma terra estrangeira, estava a mostrar que domina todas as sociedades, todos os povos, que não é apenas um “deus nacional”, como se apresentava Baal-Mecarte, mas o Senhor de toda a Terra (Ex.19:5; Sl.24:1).
- Em segundo lugar, ao mandar que Elias fosse para Zarefate, uma cidade sob o domínio de Sidom, o Senhor dava mais uma demonstração de sua superioridade em relação a Baal. Ora, Sidom era, precisamente, o reino que cultuava a Baal-Mecarte. Jezabel era filha do rei de Sidom e, portanto, Deus iria providenciar, nas próprias terras dedicadas a Baal, a sobrevivência do Seu profeta. Deus mostrava que tinha domínio sobre todas as estruturas políticas do mundo, passando a sustentar o Seu profeta na “terra do inimigo”. Por isso, não devemos temer “as investidas do vil Tentador”, porque, mesmo neste mundo que repousa no colo do diabo, quem tem o controle da situação é o nosso Deus. Aleluia!
- Em terceiro lugar, ao mandar que Elias fosse até o encontro de uma viúva, o Senhor também estava a mostrar que tinha pleno controle sobre a situação sócio-econômica das sociedades. Zarefate era uma cidade dominada por Sidom e, já por isso, uma cidade modesta, certamente de parcos recursos, visto que as cidades dominadas por outras eram tributárias, ou seja, deviam pagar pesadas somas periodicamente a seus dominadores. Além do mais, tratava-se de uma viúva e as viúvas, via de regra, eram pessoas necessitadas, que se encontram entre os mais desprovidos de recursos econômico-financeiros, que viviam da caridade pública. Entretanto, este Deus que escolhe as coisas loucas para confundir as sábias, fez com que o profeta passasse a ser sustentado, na terra de Sidom, por uma viúva miserável. A cada instante, Elias aprendia o significado do seu próprio nome: “Javé é Deus”.
- Como já havia experimentado a Providência divina, o profeta pôde, com autoridade, mandar à viúva, que encontrou apanhando lenha, que lhe trouxesse um vaso com pouco d’água para que bebesse e, depois, lhe pediu um bocado de pão. Ante a afirmativa da mulher de que não tinha senão o suficiente para uma última refeição, o profeta mandou-lhe que fizesse, primeiro, um bolo pequeno para ele e, depois, então, preparasse alimento a ela e a seu filho, pois, enquanto não chovesse, haveria alimento para eles (I Rs.17:14,15). Elias já sabia que Deus garantiria a sua sobrevivência e se havia ordenado que aquela viúva lhe sustentasse, esta garantia se estendia também a casa dela.
- Mas, as experiências com Deus ainda não haviam cessado. Baal, também, era tido como o deus da saúde. Aliás, em Sidom, Baal era conhecido como Eshmun, o deus da saúde. Deus deveria, pois, demonstrar não só a Elias, mas à própria viúva de Zarefate, que Deus era o Senhor da saúde. Assim, o filho da viúva adoeceu, doença que se agravou e que levou o filho da viúva à morte(I Rs.17:17). Apesar de sustentada pelo poder do Deus dos hebreus, a viúva, ela própria uma gentia, não hesitou em culpar o profeta pela morte de seu filho, como se fosse uma vingança de Baal contra o fato de a viúva estar a acolher um israelita em sua casa.
- Desafiado pela viúva, o profeta demonstrou, uma vez mais, a sua fé. Pediu o corpo do filho e o levou para o seu quarto, onde, em particular, clamou ao Senhor, pedindo que se restituísse a vida ao morto. É interessante notar que, até este instante, não havia qualquer relato de ressurreição de mortos em Israel. Elias será o primeiro a fazer um milagre desta natureza, a revelar como estava alto o seu nível espiritual, como estava a saber quem era Deus e do que Ele era capaz de fazer. E a Bíblia nos diz que “o Senhor ouviu a voz de Elias e a alma do menino tornou a entrar nele e reviveu” (I Rs.17:22). O resultado deste milagre foi o reconhecimento, pela viúva, de que “Javé é Deus” e de que Elias era o Seu legítimo profeta (I Rs.17:24).
- O milagre da ressurreição do filho da viúva de Zarefate é o primeiro caso de “ressurreição de mortos” registro nas Escrituras Sagradas e teve como objetivo a glorificação do nome do Senhor e a demonstração de que Ele é o verdadeiro Deus e não Baal, que, como deus da saúde, não tinha podido impedir o filho da viúva de adoecer, nem tampouco pôde restituir a vida ao moço, algo que também era atribuído a Baal, que dizia ser o responsável pelo “renascimento” da natureza após o inverno, após uma luta em que sempre conseguia vencer o “deus da morte”. Vemos, assim, que a experiência inédita de Elias tinha como propósito a exaltação do nome do Senhor e a consolidação da necessária experiência pessoal que Elias tinha de ter com Deus, para ter plena certeza de que “Javé é Deus”.
II – A BIOGRAFIA DE ELIAS (II) – O PROFETA QUE ENFRENTA A APOSTASIA NACIONAL
- Após a ressurreição do filho da viúva de Zarefate, Elias havia concluído o período de aprendizado sobre a superioridade de Deus sobre Baal. Devidamente experimentado na sua vida com Deus, durante três anos e seis meses (cf. Tg.5:17), estava pronto para um novo embate com o rei Acabe. A seca era terrível, cumpria-se à risca o que havia sido profetizado por Elias e, então, o Senhor mandou que o profeta, uma vez mais, se apresentasse diante de Acabe, porque chegara o momento de chover sobre a terra (I Rs.18:1).
OBS: É interessante notar que Flávio Josefo faz questão de comprovar a historicidade desta seca. Assim relata o historiador judeu: “…aquela prolongada seca, de que o historiador Menandro fala quando narra os feitos de Etbaal, rei dos tírios [pai de Jezabel, observação nossa], assim: Houve naquele tempo uma grande seca que durou desde o mês de Hiperbereteu até o mesmo mês, no ano seguinte. Esse soberano mandou fazer grandes preces e foram elas seguidas de um grande trovão. Foi ele que mandou construir as cidades de Botris, na Fenícia e a de Auzate, na África. Estas palavras se referem, sem dúvida, a esta seca, que aconteceu no reinado do rei Acabe, pois Etbaal reinava em Tiro, nesse mesmo tempo.…” (JOSEFO, Antigüidades Judaicas 8,359. In: História dos Hebreus. Trad. Vicente Pedroso, v.1, p.192).
- Quando ia em direção a Acabe, Elias se encontrou com o mordomo do rei, Obadias, que era uma pessoa temente a Deus, o qual, inclusive, havia escondido profetas do Senhor em cavernas e providenciado o seu sustento em meio a grande seca e à implacável perseguição desenvolvida por Acabe contra os servos de Deus. Este relato bíblico mostra-nos que Deus não só havia cuidado de Elias, como também de todos os Seus profetas, mostrando que havia absoluto controle divino sobre toda a situação. Deus não muda e continua a guardar os Seus servos, o Seu povo em meio aos dias trabalhosos e difíceis que estamos a viver. Basta apenas que temamos a Deus e que estejamos dispostos a servi-lO e a fazer o que Ele nos manda, sem nos importarmos com as circunstâncias ou os possíveis riscos. Obadias, apesar do cargo que ocupava, era um homem temente a Deus e, pela obra do Senhor, não tinha por valiosa a sua posição social (I Rs.18:3,4).
- Ao se encontrar com Obadias, Elias fica a saber que o rei Acabe o havia procurado em todos os lugares, a demonstrar, mais uma vez, que o Senhor o havia escondido, o havia não só sustentado, mas também protegido (I Rs.18:10). Também foi cientificado de que não era o único a ter obtido a proteção e sustento da parte de Deus, que os profetas, aqueles com quem Elias tinha tanto cuidado, também haviam sido guardados, pela mão de Obadias.
- O encontro entre Elias e Acabe bem mostra como não há comunhão entre a luz e as trevas (II Co.6:14). Elias havia profetizado e a profecia se cumpria integralmente, o que mostrava ser ele um profeta que vinha da parte de Deus (Dt.18:21,22). Deveria, pois, o rei Acabe respeitá-lo, considerá-lo. Mas, pelo contrário, ao se encontrar com Elias, o rei o chama de “o perturbador de Israel” (I Rs.18:17). Assim é o mundo, assim são os ímpios: eles aborrecem os servos do Senhor, consideram-nos um estorvo, um obstáculo, um impecilho. Jamais nos tratarão bem, jamais reconhecerão a nossa santidade e a nossa condição de filhos de Deus.
- Não nos iludamos, os homens sem Deus e sem salvação nunca nos darão valor, nunca falarão bem de nós. São palavras do Senhor Jesus: “Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, me aborreceu a mim.  Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece” (Jo.15:18,19). Há muitos que querem agradar aos homens, que se preocupam em ser “populares”, “simpáticos”, “enturmados”, mas não cedamos a esta tentação. O servo de Deus jamais será visto com simpatia pelo mundo pecador. Se, por um acaso, temos querido popularidade e simpatia e a tenhamos alcançado, ouçamos o que diz o Senhor: “Ai de vós quando todos os homens falarem bem de vós, porque assim faziam seus pais aos falsos profetas!” (Lc.6:26).
- O profeta Elias, porém, não se abateu por causa desta ofensa, desta palavra mentirosa do rei, como também não ficou preocupado pelo fato de o rei lhe ser hostil (ninguém pense que este encontro se deu a sós. O rei, certamente, fazia-se acompanhar de sua guarda pessoal, enquanto que Elias estava só). Antes, com autoridade, disse que quem era o perturbador de Isael era o próprio rei, uma vez que ele havia deixado os mandamentos do Senhor e seguido a Baal e, devidamente orientado por Deus, lançou o desafio da reunião de todos no monte Carmelo, a fim de que se demonstrasse quem é o verdadeiro Deus(I Rs.18:19,20). Devidamente experimentado e tendo vivido que Deus é o único Deus, Elias poderia lançar este desafio, a fim de proclamar a todo o povo o que havia aprendido.
- Esta necessária experiência pessoal com Deus e o decorrente crescimento espiritual é ainda um requisito para podermos proclamar, com efetividade, a palavra de Deus. Não se pode pregar eficazmente o Evangelho sem que, antes, tenhamos tido um contacto intelectual com ele, bem como que tenhamos uma experiência pessoal com o Senhor. Não foi por outro motivo que Jesus preparou, durante mais de três anos (praticamente o mesmo tempo da seca do tempo de Elias) os Seus discípulos e, depois, mandou que esperassem o revestimento de poder para iniciar a evangelização. Um dos grandes problemas dos nossos dias é este descuido da preparação doutrinária e espiritual dos que querem anunciar a Palavra do Senhor, fazendo com que neófitos se desincumbam desta tarefa, causando prejuízo a si mesmos e à Igreja (I Tm.3:6).
- O povo se reuniu e Elias, sem medo, apresentou-se ao povo, exigindo dele uma definição. “Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-O e, se é Baal, segui-o.” (I Rs.18:21). O grande mal espiritual do povo era a vacilação, a dúvida, a incerteza. Tudo o que não provém de fé é pecado (Rm.14:23 ARA). Nas Escrituras, sempre o Senhor nos recomenda a abandonarmos a vacilação, considerada sempre uma situação espiritual de letargia, de imobilismo, uma condição de fracasso e morte espirituais (Is.51:17,22). “Vacilar” é tremer, abalar-se, hesitar, duvidar. Nunca podemos agir em relação a Deus, “…porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa. O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos” (Tg.1:6b-8).
- Quantos que, atualmente, nas igrejas, têm vacilado, duvidado da Palavra de Deus, do poder do Senhor. Envolvidos com as coisas deste mundo, sem meditar nem estudar as Escrituras, não mantendo uma vida de oração, enfim, sem ter experiência com Deus, encontram-se na mesma situação do povo de Israel nos dias de Elias. Apesar da grande demonstração do poder de Deus, numa seca que já durava três anos e seis meses, numa clara prova de que Baal não era deus algum, não detinha controle algum sobre a natureza, o povo ainda estava coxeando entre dois pensamentos, preferindo as benesses do poder oferecidas por Jezabel no culto a Baal, bem como as seduções deste culto, que era um culto sensual, depravado e repleto de tudo aquilo que agradava a natureza pecaminosa do homem. Dinheiro, prazer, posição social eram ofertados pelos baalim e, assim, muitos, apesar de todas as evidências do poder do Senhor, continuavam titubeantes e, neste duvidar, acabavam sendo arrastados pela idolatria.
- Os dias em que vivemos não são diferentes. Embora não haja uma alusão explícita das Escrituras aos “dias de Elias”, como os há em relação aos “dias de Noé” e aos “dias de Ló”, o fato é que os dias que antecedem imediatamente aos da vinda de Cristo também são dias de dúvida, perplexidade e de vacilação em grande parte do povo de Deus. O próprio Jesus disse, ao se referir a estes dias, afirma, num tom que nos exige uma rigorosa auto-análise: “…Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra?” (Lc.18:8b).
- Israel vivia, nos dias de Elias, uma verdadeira “apostasia nacional”, pois todo o país estava se enveredando pelo culto a Baal. O próprio Deus diria a Elias, pouco depois, que apenas sete mil pessoas não haviam dobrado seus joelhos a Baal nem o haviam beijado, um número bem diminuto frente a uma população que deveria ser bem maior (I Rs.19:18). Estes sete mil, como bem explica o apóstolo Paulo, representam os remanescentes do povo de Deus (Rm.11:4), remanescente que também existe na Igreja (Ap.2:13,24; 3:4). São muitos, portanto, aqueles que se deixam levar, atualmente, pela vacilação e que, por isso, perderão a salvação. Que Deus nos guarde!
- O desafio de Elias foi apresentado: o Deus verdadeiro deveria responder com fogo a aceitação do sacrifício que Lhe fosse dado. Elias tinha experimentado o pleno domínio de Deus sobre a natureza e tinha, assim, portanto, convicção de que somente Deus responderia com fogo a um sacrifício. Os profetas de Baal e de Asera, num total de oitocentos e cinqüenta (I Rs.18:19), tentaram, durante toda a manhã, resposta de seus deuses para o sacrifício, sem resultado.
- Elias, então, depois que havia deixado tempo suficiente para que Baal respondesse ao sacrifício, oferece o seu sacrifício diante de Deus. Como Deus não é Deus de confusão (I Co.14:33), reparou o altar, que estava quebrado, bem como pôs água abundante para que não houvesse qualquer dúvida de que era Deus quem iria operar. Este cuidado do profeta é um exemplo a seguirmos na atualidade: a operação de Deus é algo de que devemos ter certeza e convicção. Por isso, nada deve ser feito sem a devida preparação espiritual, a devida santificação (o reparo do altar), como também tudo deve ser feito às claras diante do povo, com transparência, decência e ordem (I Co.14:40). Quantos altares desmantelados na atualidade têm buscado o “fogo divino” e, como Deus não opera em lugares assim, recorrem a subterfúgios, a astuciosos estratagemas para impressionar o povo. Entretanto, não nos iludamos, Deus não é Deus de confusão.
- Mas, além de ter reparado o altar e não deixado margem a qualquer dúvida, Elias fez uma oração. Elias não “determinou” coisa alguma a Deus, pois sua “determinação”, como vimos, é a disposição firme de servir a Deus, não qualquer exigência que devesse ser feita, como muitos iludidos atrevem-se a fazer em os nossos dias. Elias fez uma oração, um pedido a Deus, reconhecendo a Sua soberania, o Seu senhorio. Ele poderia chamar Deus de Senhor, porque havia experimentado o controle de Deus sobre todas as coisas: o corvo, a panela da viúva, a vida do filho da viúva. Relembrou ao povo, que o escutava, que Deus era o Deus do pacto feito com os patriarcas, o Deus que havia formado a nação de Israel e que ele, Elias, era tão somente um servo dEle. Mal acabou a oração, o Senhor consumiu tudo com o fogo e o povo não teve mais dúvida alguma: só o Senhor é Deus! (I Rs.18:36-39).
- Em meio a este triunfo espiritual, o zelo do profeta se mostrou. Elias mandou que os profetas de Baal e de Asera fossem mortos e, incontinenti, o povo lhe obedeceu, levando-os ao ribeiro de Quisom, situado ao pé do monte Carmelo, onde matou a todos os profetas. Em seguida, avisou o rei Acabe para que se apressasse e fosse comer e beber, porque ruído havia de uma abundante chuva (I Rs.18:40,41).
- Enquanto Acabe foi comer e beber, Elias foi orar. Aqui, mais uma vez, vemos como eram diferentes estes dois homens e como são diferentes, até os dias de hoje, aquele que serve a Deus e aquele que não O serve. Acabe, ante tamanha demonstração do poder de Deus, deveria se arrepender dos seus maus caminhos e tornar a servir ao Senhor. Mas, antes disso, resolveu comer e beber, continuar com a sua vida regalada, indiferente a Deus e a tudo quanto lembrasse o Senhor, entre os quais, o próprio sofrimento do povo, que padecia fome e sede por causa da seca. Acabe, porém, não se importava com o povo, mas única e exclusivamente com o seu bem-estar. É este, lamentavelmente, o comportamento de muitos que estão à frente do povo de Deus, que se importam apenas em “subir, comer e beber”, enquanto o povo passa necessidade.
- Ainda bem que, enquanto os Acabes comem e bebem, ainda existem os Elias que vão buscar a Deus. Elias estava cheio de fé, havia sido usado por Deus maravilhosamente, fogo havia descido do céu, consumido o altar além do próprio sacrifício, mas, quando foi orar, e orando com fé pois já sentia o ruído duma abundante chuva, nada aconteceu. Com rosto em terra, clamando ao Senhor, foram necessárias sete vezes até que no céu surgisse uma pequenina nuvem como u’a mão. Deus ensinava a Elias uma vez mais: o servo nunca deve deixar de perseverar e ser persistente. Deus não está preso ao homem. Se o fogo veio antes mesmo que a oração acabasse, agora foram necessárias sete orações para que o pedido fosse atendido, pedido, aliás, que Deus já havia dito, antes que tudo começasse, que haveria de acontecer (cf. I Rs.18:1).
- Deus é o Senhor, que, aliás, é o significado do nome de Elias. Assim como Deus atendeu a Elias incontinenti para mandar fogo, exigiu dele mais insistência para mandar a tão esperada chuva, chuva que começou numa pequenina nuvem na forma de u’a mão, para mostrar que era a mão do Senhor que estava sobre Elias (I Rs.18:46), que continuava a ser um simples homem, como qualquer um de nós (Tg.5:17).
- Por isso, não temos como admitir em nosso meio as famigeradas “campanhas”, que têm proliferado nas igrejas, impondo ao Senhor “sete sextas-feiras”, “quarenta segundas-feiras”, “vinte e uma semanas” e tantas invencionices para que a obra seja realizada. Isto é um absurdo e, com Elias, nós temos de aprender que “Javé é Deus”, que é o Senhor quem opera, quando, como e onde quer. Devemos pedir insistentemente, de modo ininterrupto, como ensinou Jesus (Mt.7:7,8), mas sempre se lembrando que o tempo é de Deus, bem como a vontade dEle. Abandonemos estas superstições, este paganismo que se introduziu em o nosso meio e voltemos ao que ensina as Escrituras, através do exemplo do profeta Elias.
III – A BIOGRAFIA DE ELIAS (III) – O PROFETA QUE APRENDE A VENCER A SI MESMO
- O capítulo 19 de I Reis é um daqueles capítulos que mais surpreendem o leitor da Bíblia Sagrada. Após um grande triunfo e da afirmação de que a mão de Deus estava sobre Elias, encontramos Acabe relatando todos os fatos a Jezabel que, como era previsível, mandou um mensageiro a Elias, ameaçando-lhe de morte para o dia seguinte, como retribuição pela morte dos profetas de Baal e Asera.
- Qualquer um aguardaria uma total desconsideração desta ameaça por parte do profeta, ou uma resposta duríssima sua, pois, afinal de contas, Elias estava “por cima”, vinha de uma grande demonstração do poder de Deus. Entretanto, qual foi a reação de Elias? Fugiu para Berseba, no reino de Judá (portanto fora da jurisdição de Acabe) e ali deixou o seu moço. Em seguida, sozinho, foi para o deserto, no caminho de um dia, assentou-se debaixo de um zimbro, planta que hoje é conhecida como “junipeiro” ou “giesta branca”, um arbusto atrativo, típico das regiões desérticas, que chega a ter até quatro metros de altura, cuja madeira era boa para se fazer carvão vegetal. Ali, sob esta árvore, o profeta simplesmente pediu a morte a Deus. Em vez do “campeão do monte Carmelo”, encontramos um homem deprimido, desanimado, porque havia sido ameaçado por uma mulher. Que surpresa tem o leitor!
- A mão do Senhor estava sobre Elias, mas, assim que recebeu a notícia, Elias não procurou saber qual a orientação do Senhor. Até ali, Elias tudo havia feito de acordo com a ordem do Senhor. Mas, assim que recebeu a notícia do mensageiro de Jezabel, em Jizreel,para onde se deslocara para ficar junto ao rei Acabe (I Rs.18:46), o profeta não buscou a direção de Deus. Deixou, então, de ser “a boca de Deus”, para ser tão somente o “homem sujeito às paixões”.
- A prova maior disto é que, em primeiro lugar, sai do reino de Israel, dirigindo-se para Judá. Revela, neste seu gesto, que não mais aguardava a direção de Deus, desprezou, mesmo, o fato de a mão do Senhor estar sobre ele, o que poderia perceber, vez que, como profeta, tinha o Espírito do Senhor dentro dele. Tratou, em primeiro lugar, de ir para um “local seguro”, um local onde Acabe não reinasse. Preocupara-se, então, com a organização política, com o poder real, algo que, enquanto estava sob a orientação divina, nunca havia sido obstáculo para suas jornadas (lembremos que fora para Zarefate, cidade dominada por Sidom, cujo rei era o próprio pai de Jezabel, e nunca fora encontrado por quem quer que fosse, apesar da insistente busca empreendida por Acabe e por Jezabel).
- Em segundo lugar, uma vez em Berseba, tratou de ali deixar o seu moço, aquele que o acompanhava. Não sabemos desde quando este moço o estava acompanhando, mas o fato é que este moço conhecia apenas o profeta, não o homem. Ao deixar ali o seu moço e seguir rumo ao deserto completamente só, Elias como que se despia de sua função profética, como que “pendurava as chuteiras” do seu ministério. O profeta ficava em Berseba. A partir daí, somente o homem sujeito às mesmas paixões que nós, o homem demasiadamente humano é que prosseguia a viagem. Mais uma vez, o profeta demonstrava estar fora da direção de Deus, porque resignava seu ofício sem ao menos perguntar a Deus o que deveria fazer.
- O resultado desta atitude de “independência” em relação a Deus não poderia ser mais desastroso. Era a depressão, o desânimo, a falta de vontade de viver. Debaixo do zimbro, vemos um homem derrotado, fracassado, única e exclusivamente porque deixou o lugar da bênção, deixou o espaço em que estava debaixo da mão do Senhor, para criar o seu próprio caminho, a sua própria vontade.
- “Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte” (Pv.14:12). “Há caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte” (Pv.16:25). Por duas vezes, Salomão nos dá esta advertência, cujo exemplo de Elias só faz ressaltar. Precisamos sempre estar debaixo da mão do Senhor, não podemos jamais sair da Sua direção, porque, se o fizermos, isto nos será fatal. De nada adianta termos sido “campeões de Deus”, se, no momento seguinte, deixarmos de nos orientar pelo Espírito Santo, estaremos irremediavelmente perdidos.
- Elias não esperou que Deus falasse, mas, ante o pavor repentino que dele tomou conta, por causa da ameaça de Jezabel, desesperou-se e iniciou uma jornada sem a presença de Deus, que o levou a um pé de zimbro, no meio do deserto, a pedir a morte. Que decadência espiritual, a mesma decadência a que estamos sujeitos se, também, deixarmos os “lugares celestiais em Cristo” (Ef.1:3). Por isso, o apóstolo Paulo nos recomenda a “sermos firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o nosso trabalho não é vão no Senhor” (I Co.15:58b, com variação das pessoas gramaticais). Percebamos bem este conselho do apóstolo: o trabalho não é vão quando feito “no Senhor”. Se deixarmos o lugar debaixo da mão do Senhor, “o esconderijo do Altíssimo à sombra do Onipotente”, não haverá descanso, como diz o salmista no salmo 91. Devemos sempre ter o mesmo cuidado e prudência de Esdras, para somente andarmos no caminho direito, onde esteja sempre “a mão do nosso Deus” (Ed.8:21,22,31).
- Este homem sujeito às mesmas paixões que nós, este “eu” que se recusava a seguir a orientação divina é que precisava agora ter uma real experiência com Deus. O profeta já havia aprendido que “Javé é Senhor” em relação à natureza, à organização política, à estrutura sócio-econômica, mas era necessário que ele soubesse que também “Javé é Senhor” do nosso “eu”, que precisamos nos render total e absolutamente a Ele. A maior luta de um servo do Senhor é contra si mesmo, contra o seu “eu”. Para sermos valentes, precisamos vencer a nós mesmos, como diz o poeta sacro Almeida Sobrinho na última estrofe do hino 225 da Harpa Cristã.
- Quando está a pedir a morte, neste profundo estado depressivo, Elias recebe a visita de um anjo, que determinou que ele se alimentasse de um pão cozido sobre as brasas e uma botija de água. Elias atendeu à ordem angelical, mas, logo em seguida, tornou a deitar-se. Novamente, o anjo lhe determinou que se alimentasse e que retomasse o caminho, que seria mui comprido. Após ter se alimentado esta segunda vez, Elias recobrou ânimo físico e, com a força daquela comida, caminhou quarenta dias e quarenta noites, em direção a Horebe, o mesmo monte onde Deus havia Se manifestado a Moisés para a libertação do povo (I Rs.19:5-7).
- Nesta manifestação da misericórdia divina, Elias tem uma nova experiência com o Senhor. Descobre que Deus também tem controle sobre os céus. A vinda de um anjo para alimentá-lo mostra que Deus é tanto Senhor dos céus como Senhor da terra. Elias tem, assim, a revelação do Senhor dos Exércitos, dAquele que tem pleno domínio também das regiões celestiais.
- De pronto, vemos, neste instante da vida do profeta, que somente uma intervenção divina poderia retirar Elias da sua situação. Não há como vencer o “eu” que existe em nós a não ser por intermédio de uma operação divina. A salvação é fruto da graça de Deus (Ef.2:5,8), não se tendo condição alguma de se erguer espiritualmente sem a manifestação desta graça, que traz salvação a todos os homens (Tt.2:11). Apesar de todo o seu gigantismo espiritual, Elias estava prostrado e, se dependesse dele, não haveria outra perspectiva senão a morte.
- Uma vez em Horebe, Elias entra em uma caverna. A ação divina, até aquele instante, havia atingido tão somente o físico do profeta. Em vez de ir ao cume do monte para buscar a Deus, Elias esconde-se numa caverna, a denunciar o seu estado espiritual. Mas, mesmo na caverna escura, Deus nos encontra! O Senhor Se apresentou ao profeta e perguntou o que ele fazia ali. Em resposta a esta pergunta, Elias demonstra toda a força do seu “eu”. Embora tivesse sido avisado pelo mordomo real Obadias da existência de outros servos do Senhor, Elias diz que somente ele havia ficado para servir a Deus. A prevalência do “eu” impede-nos de ver a manifestação do poder de Deus ao nosso redor. Nunca estamos sós nem jamais somos os únicos a desfrutar da misericórdia divina. Devemos, sempre, considerar os outros superiores a nós mesmos (Fp.2:3), nunca devemos nos enfatuar, nos envaidecer, pois esta atitude é típica dos homens dos tempos trabalhosos, daqueles que não servem a Deus.
- Para vencer o seu “eu”, o profeta deveria ter uma nova experiência com o Senhor. Até então havia visto o Senhor que controla todas as coisas, que ordena os corvos a trazer pão e água, o azeite e a farinha da panela a se multiplicar, o filho da viúva a reviver, o fogo do céu a consumir o sacrifício e o próprio altar, o anjo a trazer alimento, o corpo de Elias a ter um miraculoso vigor que o permitiu andar pelo deserto, sem precisar se alimentar, por quarenta dias e quarenta noites. Agora, o profeta haveria de conhecer uma outra face divina: a face do amor.
- Elias é mandado sair da caverna e, no monte, ficou diante do Senhor, Senhor que fez passar um grande e forte vento que fendia os montes e que quebrava as penhas, mas, em toda esta violência, Deus não estava. Em seguida, como se fosse pouco o vento, houve um terremoto, mas ali também Deus não estava. A seguir, veio um fogo, e também o Senhor ali não estava. Deus mostrou que era o supremo controlador da natureza, mas este lado o profeta já conhecia. O que Elias ainda não conhecia era o lado amoroso do Senhor, o Deus que não só controla a natureza, nela intervindo, mas que também ama o homem. Era na voz mansa e delicada que o Senhor Se apresentou (I Rs.19:11,12).
- Novamente o profeta apresenta o seu “eu” diante do Senhor, mas este “eu” é quebrantado pela voz mansa e delicada. O Senhor mostrou ao profeta que não era ele o único servo de Deus, era ele um homem sujeito às mesmas paixões que nós, era um homem que ainda precisava fazer algo pela obra do Senhor. Deus lhe revelou, então, que caberia ainda ao seu ministério ainda três providências: a separação de pessoas escolhidas por Deus para governar sobre Israel, sobre a Síria e a continuidade do próprio ministério profético.
- A Bíblia é bem sucinta, dizendo apenas que, após estas palavras do Senhor, o profeta Elias partiu do monte Horebe (I Rs.19:19). Esta partida, contudo, tem um grande significado, pois o texto sagrado nos diz que a primeira coisa que Elias fez foi ir à busca de Eliseu, que Deus havia indicado como seu sucessor. Este gesto do profeta mostra que o seu “eu” havia sido quebrantado, que estava ele na total dependência de Deus, que voltara à direção do Espírito Santo. Ao ir atrás de Eliseu, o profeta retomava o seu ministério e se punha à disposição de Deus. Não era mais o arrogante “zeloso”, mas alguém que compreendera que era apenas um vaso de barro nas mãos do oleiro, tanto que, incontinenti, já foi em busca daquele que Deus apontara como o seu sucessor.
- O desprendimento de Elias foi tanto que observamos que das três tarefas determinadas por Deus a ele, Elias apenas cumpriu o referente à sua própria sucessão. Jeú foi ungido por ordem de Eliseu (II Rs.9:1-3), assim como Hazael, rei da Síria, foi ungido também por Eliseu (II Rs.8:13). Elias não quis para si esta honra, mas, sabedor de sua condição de simples servo de Deus, tomou a providência que lhe cabia: preparar o seu sucessor, a fim de que ele cumprisse tudo quanto havia de se fazer na obra de Deus.
- Elias compreendeu que, muitas vezes, nosso ministério não depende de nossas atitudes diretas, mas de nosso desprendimento para preparar outros para a continuidade do trabalho do Senhor. Era este o mesmo espírito que norteava a ação dos apóstolos na igreja, notadamente no caso de Paulo que, abrindo igrejas, tão logo havia condição, escolhia alguns para governá-las e prosseguia sua missão evangelizadora. Foi, também, o que fizeram os missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren ao implantar as Assembléias de Deus no Brasil. Como seria bom se, em vez do amor ao poder e à formação de impérios eclesiásticos, as lideranças da atualidade experimentassem este mesmo quebrantamento de “eu” que o Senhor operou em Elias!
IV – A BIOGRAFIA DE ELIAS (IV): ELIAS, O PROFETA DESPRENDIDO QUE CONTINUA A DENUNCIAR O PECADO E É POUPADO DA MORTE FÍSICA
- Depois desta experiência no monte Horebe, tem início a fase final do ministério de Elias, pelo menos no que diz respeito a este período de sua vida terrena. O texto sagrado interrompe o relato da vida do profeta, no capítulo 20, para voltar a falar do rei Acabe e de sua guerra contra a Síria, quando, para confirmar a palavra que Deus havia falado a Elias, aparece um outro profeta, cujo nome não é mencionado, que faz com que o rei tenha vitória sobre os seus inimigos.
- Elias, porém, retorna ao texto sagrado, agora para trazer um duro juízo sobre Acabe, Jezabel e sua casa, por causa da morte de Nabote, uma trama engendrada por Jezabel. Acabe creu na palavra do profeta e, por isso, foi poupado de ver a destruição de sua casa em seus dias, ainda que ele mesmo viesse a sofrer o juízo de ter seu corpo dilacerado e seu sangue lambido pelos cães nas terras que haviam sido tomadas de Nabote (I Rs.21:17-29), profecia, esta, que foi integralmente cumprida (II Rs.9:36; 10:10).
- Acabe morreu, tendo, aliás, se cumprido em relação a ele o que havia falado o profeta Elias (I Rs.19:38), sendo sucedido pelo seu filho Acazias, que adoeceu e foi, então, pedir a saúde a Baal-Zebube, deus de Ecrom, que, como vimos, era o deus da saúde. Surge, então, novamente o profeta Elias, para anunciar a morte do rei. Acazias mandou, então, por três vezes, que soldados fossem prender o profeta, tendo as duas primeiras companhias militares sido consumidas pelo fogo do céu que foi invocado pelo profeta. Elias continuava a ser o profeta zeloso, mas que dependia exclusivamente do Senhor. Fogo do céu consumiu cem homens, mas tudo Elias fez pela direção do Espírito, tanto que, mesmo após terem sido consumidos cem homens, foi até a presença do rei quando o Senhor assim o determinou (II Rs.2:15).
- Elias era, então, um homem totalmente dependente nas mãos do Senhor. Vigoroso, continuava a denunciar o pecado e não compactuar com a idolatria dos seus dias. Embora se mantivesse isolado da sociedade, numa atitude que o escritor evangélico Júlio Severo bem denomina de “isolamento profético”, não deixava de denunciar o pecado e de ser usado nas mãos do Senhor para atacar os desmandos e os desvarios daqueles que estavam a desvirtuar a fé no meio do povo de Deus. Ao se apresentar ao rei Acazias, o profeta mostra toda a sua coragem e autoridade, dizendo que o rei morreria. Esta morte outro objetivo não tinha senão mostrar a todo o povo que Deus era o Senhor da vida, não Baal-Zebube. E o rei Acazias morreu, conforme a palavra do profeta (II Rs.1:17).
- O profeta, também, deixou uma mensagem escrita que foi anunciada somente depois de sua trasladação, mensagem destinada ao rei de Judá, Jeorão, filho de Josafá e sobrinho de Acabe, no qual lançou um juízo de dura enfermidade por causa da apostasia daquele rei, juízo este que se cumpriu integralmente (II Cr.21:12).
- Após mais esta atitude que fez prevalecer o nome do Senhor no meio de Israel, Elias é, então, poupado da morte, subindo ao céu, sem passar pela morte física, num redemoinho. Antes disso, porém, Elias faz um milagre, qual seja, a exemplo do que fizera Josué, atravessa o rio Jordão em seco, na companhia de Eliseu (II Rs.2:8). Ao assim agir, Elias mostrou claramente, a Eliseu e aos filhos dos profetas, que “Javé é Deus”, que tem o pleno controle da natureza.
- Este controle absoluto da natureza seria demonstrado no episódio da trasladação do próprio profeta. Elias havia pedido a morte, quando em seu momento de fragilidade, mas Deus não queria que Seu servo experimentasse a morte, ao menos neste instante histórico. Elias é levado aos céus em um redemoinho (II Rs.2:11), depois que um carro de fogo, com cavalos de fogo, separou Elias de Eliseu. Muitos, inadvertidamente, dizem que Elias subiu ao céu nesta “carruagem”, mas não é isto o que diz o texto bíblico.
- A subida de Elias ao céu num redemoinho é o coroamento de uma vida de contínua intensificação da intimidade do profeta com Deus. De experiência em experiência, Elias foi adquirindo um “status” que o fez atingir o mesmo nível de Enoque. Elias rendeu-se totalmente ao Senhor e passou a andar com Ele de modo profundo e ininterrupto e o resultado disto foi o de ter alcançado a mesma graça que Enoque, o sétimo depois de Adão, obtivera nos seus dias: o da intimidade tão estreita que fez com que Deus o tomasse de entre os viventes. Todos quantos experimentarem esta mesma intimidade também serão tomados pelo Senhor, para que habitem com Ele para todo o sempre, sendo o Seu povo e Ele, o seu Deus (Ap.21:3).
- Muitos, na atualidade, notadamente os chamados “teólogos liberais”, procuram contestar o texto sagrado, dizendo que Elias morreu, que o texto sagrado apenas faz uma descrição de como teria sido sua morte. No entanto, não podemos contender com o texto sagrado. Elias não morreu, não experimentou a morte física. A Bíblia é bem clara a este respeito e, se assim não fosse, como explicar a expectativa que os israelitas nutriam da sua volta, como vemos nos dias de Jesus? Contra o texto bíblico não podemos conjecturar e, por isso, não podemos admitir qualquer idéia em contrário.
- Muitos estudiosos da Bíblia, desde os primeiros séculos da história da Igreja, entendem que Elias será uma das duas testemunhas registradas no capítulo 11 do livro do Apocalipse, que virá pregar nos dias do Anticristo, visando o arrependimento do povo de Israel. Este pensamento está baseado em alguns pontos, a saber:
a) o ministério do profeta Elias não se encerrou, tanto que duas das três tarefas a ele cometidas, foram cumpridas por Eliseu. Tratar-se-ia, pois, de um ministério inacabado, que o foi propositadamente pelo Senhor, porque Elias haveria de voltar para concluí-lo, o que se dará na Grande Tribulação.
b) o profeta Malaquias afirma que Elias voltará antes do “grande e terrível dia do Senhor” (Ml.4:5), ou seja, antes da batalha do Armagedom, que porá fim à Grande Tribulação e instituirá o milênio. Alguns afirmam que Ml.4:5 já teria se cumprido no ministério de João Batista, conforme teria confirmado o próprio Senhor Jesus (Mt.17:12; Mc.9:13). No entanto, embora Jesus tenha dito que o Elias que haveria de vir antes de Sua primeira vinda, fosse João Batista, também afirmou que Elias viria e restauraria todas as coisas, como que indicando que o cumprimento cabal desta profecia ainda não se deu (Mt.17:11; Mc.9:12). O Elias da primeira vinda a Israel teria sido João Batista, mas o próprio Elias haveria de vir antes da segunda vinda.
c) a Bíblia diz que todos os homens foram destinados a morrer uma vez (Hb.9:27) e Deus não faz acepção de pessoas (Dt.10:17; At.10:34), sendo certo que Elias, como homem que era, pecou, necessitando, pois, morrer. Assim, sua volta na Grande Tribulação seria para o cumprimento desta ordem divina, já que as duas testemunhas serão mortas pelo Anticristo (Ap.11:7).
d) Elias encontra-se, atualmente, junto a Deus, tendo aparecido, juntamente com Moisés, no monte da Transfiguração (Mt.17:3), numa clara demonstração de que está à disposição do Senhor para realizar a Sua obra quando for o tempo.
- É interessante observar que os judeus, até o dia de hoje, aguardam a volta de Elias e, em suas cerimônias de circuncisão, sempre deixam vaga uma cadeira, que é denominada de “o lugar de Elias”. Como nos diz o escritor católico Francesco Spadafora: “…É do conhecimento geral que o profeta ‘arrebatado’ ao céu ocupa um lugar importante na haggada. Essa ilustra e amplia com elementos legendários, às vezes simplistas, e com considerações teológicas os textos bíblicos relativos à vida terrena de Elias; porém, se detém especialmente em seu arrebatamento e sua atividade celestial, sobre suas aparições na terra como benfeitor dos pobres e amigo dos humildes, como socorredor e libertador dos fiéis em toda situação extrema, como amigo dos sábios e estudiosos da Torah, devido o seu zelo por ela, e finalmente como precursor do Messias.…” (O profeta Elias. Trad. Wilmar Santin. Disponível em:
- Vista, então, a biografia de Elias, resta-nos, dentro dos objetivos do trimestre letivo da EBD, vermos no que podemos melhorar nossos caminhos diante de Deus após analisarmos a vida deste grande profeta.
- A primeira lição que temos com Elias é o chamado “isolamento profético” de que ele é um exemplo típico. Elias sempre é apresentado no texto sagrado como alguém que se mantinha à parte da sociedade, retirado, tendo um trajar diferente, a andar pelos desertos e afastado do dia-a-dia do mundo de seu tempo. Esta característica levou, inclusive, Elias a ser um exemplo para os adeptos do movimento monástico, ou seja, para aqueles que resolveram servir a Deus isolando-se do mundo, abrindo conventos e monastérios através dos séculos.
OBS: “…Aos monges, o tema do aspecto profético de sua própria vida sempre inspirou o mais vivo interesse (cf. Jean Leclercq, La via parfaite. Points de vue sur l’essence de l’état religieux, Turnhout-París 1948, cap. 2, La vie prophétique, 57-81). De fato a espiritualidade da vida de perfeição já foi preparada no AT (cf. Sœur Jeanne d’Arc, Les préparations bibliques de la vie religieuse, VS, XXIV [1956], 474-494). Os grandes profetas Elias, Eliseu e São João Batista foram considerados, junto com outros, como protótipos da vida religiosa. …” (Francesco Spadafora, op.cit.)
- No entanto, o “isolamento profético” não pode ser considerado um modelo no sentido físico, mas, sim, sob o seu aspecto espiritual. Como ensina o escrito evangélico Júlio Severo, “a característica fundamental do estilo de vida profético de Elias, que entrará em ação nos últimos dias, é o isolamento profético. Elias se isolava completamente dos pecados da sociedade.(…) Em seu isolamento, Elias sempre buscava a Deus e se preparava para atender toda vez que Deus o chamava para ir ao meio da sociedade e confrontar seus líderes políticos e valores errados.…” (A volta do profeta Elias: o que a unção de Elias representa para as famílias e o mundo político nestes últimos dias. Disponível em: http://www.tscpulpitseries.org/portuguese/ts020213.htm Acesso em: 1 jun. 2007).
- A terceira lição que aprendemos tendo Elias como contra-exemplo é a de que não podemos ser individualistas, nem achar que o mundo gira em torno de nós. Deus e o Seu povo são maiores do que nós. Somos importantes para Deus, Deus nos ama, mas também ama outras pessoas e tem compromisso com a Sua Palavra, Palavra esta que é posta, inclusive, acima do Seu próprio nome (Sl.138:2). Assim, para reproduzir uma frase de um controvertido parlamentar brasileiro que ficou famosa, devemos nos reduzir à nossa insignificância.
- Elias deixou-se levar pelo individualismo e se apresentou como o único remanescente de Deus na terra de Israel, esquecido do mordomo Obadias e dos profetas que este havia protegido da fúria de Jezabel. Elias voltou-se única e exclusivamente para si e, portanto, não poderia exnergar a Providência Divina para com todo o povo de Israel, que era o Seu povo escolhido. Que tristeza quando esquecemos do povo de Deus e do compromisso do Senhor com este povo. Nossa mesquinhenz levar-nos-á a um completo isolamento e a uma total fraqueza. Quando pensamos só em nós mesmos, em nossos benefícios, nosso destino será o pé de zimbro no deserto, o desânimo e o fracasso e, se o Senhor não tiver misericórdia de nós, como teve com Elias, seremos um retumbante fracasso e, ante nossa inutilidade, lançados seremos nas trevas exteriores, onde há pranto e ranger de dentes. Q            eu Deus nos guarde!
- A quarta lição que tem Elias como contra-exemplo é o de querermos estabelecer o tempo de nosso ministério. Ministério é serviço e, portanto, quem determina as tarefas não é o servo, mas, sim, o senhor. Na parábola já mencionada, é o Senhor quem diz o que deve, ou não, ser feito pelo servo (Lc.17:7). Quando recebemos uma incumbência do Senhor, temos de cumpri-la, sabendo que o lugar, o tempo e o modo de fazê-lo são estabelecidos pelo Senhor, não por nós. “Sabei que o Senhor é Deus, foi Ele e não nós que nos fez povo Seu e ovelhas do Seu pasto” (Sl.100:3).
- Elias achou que seu ministério havia findado. Provara que o Senhor era Deus e matara os profetas de Baal e Asera. Para sua surpresa, o rei Acabe não havia se convertido e Jezabel, em vez de fugir para Sidom, mandou avisar Elias que o mataria. Elias entendeu, então, que seus objetivos haviam sido cumpridos e que nada mais restava fazer senão morrer. Considerara que Deus havia falhado no seu intento de destruir o culto a Baal e que não havia mais o que fazer pelo povo. Que presunção, que audácia de um simples vaso de barro, querendo determinar o que havia de fazer o oleiro! “Ai daquele que contende com o seu Criador, caco entre outros cacos de barro! Porventura, dirá o barro ao que o formou: Que fazes? Ou a tua obra: Não tens mãos?” (Is.45:9).
- Muitos estão a fazer isto na atualidade. Estabelecem o lugar, o tempo e o modo de seus ministérios, esquecidos de que são apenas servos, caco entre outros cacos de barro. Não se recordam das palavras de Paulo a Timóteo, na sua derradeira carta: “Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério” (II Tm.4:5).
- Quantas igrejas locais não têm sofrido por causa destes que, se arrogando o direito de estipular lugar, tempo e modo de seus ministérios, ficam onde Deus não quer mais que fiquem, saem de onde Deus não quer que saiam, estabelecem modos e maneiras que Deus não quer que estabeleçam. São verdadeiras pedras de tropeço, obstáculos para o bom desenvolvimento da obra do Senhor. Tais pessoas são rebeldes, desobedientes e, se não se arrependerem, terão um destino triste e lamentável (I Pe.2:6-8). Que Deus nos guarde!
- Como já dissemos supra, o fato de Elias ter deixado seu moço antes de partir para o deserto é elucidativo desta circunstância negativa. Na verdade, ao deixar o seu moço em Berseba, Elias como que renunciava a seu ministério, deixava em Berseba não só o moço, mas o profeta. Partia para o deserto apenas como um homem, como alguém despido de espiritualidade. Quantos não têm caminhado para o deserto, abandonando seu ministério, mas ainda mantendo o título e a posição na organização. Quantos não têm deixado o corpo de Cristo, embora continuem integrando o grupo social. Quantos não têm deixado a Cristo, mas têm se mantido crentes, e até “ministros”…
OBS: A idéia de que o ministério profético era totalmente independente da vontade do profeta está bem delineado neste trecho de um historiador judeu-brasileiro, que ora se transcreve: “…O conceito do profeta como ‘boca de Deus’ é antigo (Ex.7:1,2), é uma função que ele não escolhe, mas para a qual se acha designado, muitas vezes contra sua própria vontade e quase sempre para dizer o que os outros não querem ouvir. O navi [profeta em hebraico, observação nossa] é escolhido por Deus e irresistivelmente compelido a comunicar aos outros a Sua mensagem. Ele só fala quando assim mandado e, uma vez recebida a ordem, quer queira quer não, tem que falar.…” (BORGER, Uma história do povo judeu, v.1, p.94).
- A quinta e última lição negativa de Elias é a referente ao desânimo. Não podemos, em hipótese alguma, deixar que o desânimo nos atinja. Jesus mandou-nos que tivéssemos “bom ânimo” e é necessário, particularmente nos dias difíceis em que vivemos, que este ânimo seja redobrado a cada dia. O desânimo é a porta de entrada do fracasso espiritual, é a brecha para perdermos a nossa salvação. As dificuldades são crescentes, mas temos de ter ânimo, de nos esforçarmos para servir a Deus e ganhar almas para o Seu reino.
- Não podemos desfalecer, apesar das dificuldades dos nossos dias. O pecado aumenta e, por isso, tem de aumentar a denúncia contra o pecado. Ainda que haja trevas, ainda que muitos se envergonhem do Evangelho e da Palavra de Deus, devemos repetir as palavras do profeta Miquéias: “Mas, decerto, eu sou cheio da força do Espírito do SENHOR e cheio de juízo e de ânimo, para anunciar a Jacó a sua transgressão e a Israel o seu pecado” (Mq.3:8). Combatamos o bom combate até que acabemos a nossa carreira! Amém!
Colaboração para o Portal EscolaDominical: Prof. Dr. Caramuru Afonso Francisco.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A aterrorizante voz de Deus

A aterrorizante voz de Deus

O livro de Êxodo contém uma das passagens mais estranhas de todas as escrituras. Estando Israel acampado junto ao Monte Sinai, foram subitamente cobertos por espessa escuridão e por um incrível fogo flamejante. Do meio destes elementos impressionantes, Deus falou: "Estas palavras falou o Senhor a toda a vossa congregação no monte, do meio do fogo, da nuvem e da escuridão, com grande voz..." (Deuteronômio 5:22).
As montanhas que cercavam os israelitas estavam incandescentes, e o fogo sobrenatural consumia tudo que estava à vista. Trovões explodiam como se a terra estivesse se dividindo em duas. E do meio de tudo isto Deus falou de maneira audível, com uma voz aterrorizante e onipotente.
Enquanto tudo isto acontecia, os israelitas ficaram paralisados de medo. Estavam convencidos de que morreriam antes que a voz de Deus parasse de falar. De acordo com as escrituras, até Moisés, o grande amigo de Deus, ficou "aterrado e trêmulo." Eles devem ter achado que estavam suspensos sobre a boca do inferno.
Finalmente, a voz silenciou. Os relâmpagos cessaram e os tremores pararam. E logo o sol começou a brilhar. As pessoas começaram a olhar em torno, e viram que todo mundo ainda estava vivo. Foi um milagre. Eles haviam ouvido a voz real e audível de Deus e viveram.
É claro que assim que cessou esta manifestação incrível, os anciãos e os líderes das tribos de Israel convocaram uma reunião. Era de se esperar que esta seria a maior reunião de louvor de toda a história da humanidade. Todos podiam testificar sobre a experiência gloriosa e transformadora que Deus lhes havia dado.
Eu os imagino dizendo: "É impressionante. Nenhum outro povo da terra já ouviu a voz de Deus saindo do fogo, e sobreviveu. Podemos dizer aos nossos netos: eu estava lá no dia que Deus falou conosco." Também vejo os sacerdotes levitas advertindo o povo: "Não esqueçam deste dia. Nós experimentamos em primeira mão a toda-poderosa santidade do Senhor. Vivamos sempre em temor a Ele."
Porém esta reunião não foi, em absoluto, uma reunião de louvor. Incrivelmente os anciãos disseram a Moisés: "Não podemos lidar com uma experiência deste tipo. Não queremos mais ouvir a aterrorizante voz de Deus. Se Ele falar conosco assim outra vez, vamos morrer. De agora em diante queremos ouvir Suas palavras através da voz de um homem."
A resposta deles foi totalmente incompreensível. Por que alguém haveria de reagir desta maneira diante de um milagre tão glorioso de Deus se comunicando com o Seu povo? Eu digo o porquê: era porque os israelitas possuíam pecado oculto em seus corações. Adoravam secretamente a ídolos.
É inacreditável mas estas pessoas ainda se pegavam aos pequenos ídolos de ouro que tinham trazido consigo do Egito, imagens encravadas de Moloque e a estrela do deus Renfã. O apóstolo Estevão disse que estes ídolos eram: "...figuras que fizestes para adorar..." (Atos 7:43). Os israelitas os haviam esculpido à semelhança dos gigantescos bezerros de ouro que os egípcios adoravam. Haviam gritado: "Tu nos libertastes do Egito. Tu és nosso Deus." E agora, no deserto, ainda não tinham se livrado de sua horrível idolatria.
Estevão denominou este povo "...congregação no deserto..." (verso 38). Ele ficou abismado de que até após o Senhor haver falado com eles de maneira audível, seus corações permanecerem no Egito idólatra. Disse o seguinte a respeito deles: "...nossos pais não quiseram obedecer...no seu coração, voltaram para o Egito" (v.39).
Percebe-se porque a voz de Deus fez com que este povo tremesse. A razão pela qual acharam que iam morrer era porque estavam na presença de um Deus santo, poderoso, e não diante de um ídolo qualquer sem vida, esculpido. O Espírito de Deus havia apertado suas almas, e a consciência ficava lhes convencendo.
Esta grande cena de estremecimento e de tremor não era um show qualquer de terror, com objetivo de levar os israelitas à obediência através do susto. Não é assim que o nosso Deus de amor age. Moisés explicou os propósitos de Deus ao povo:
"Respondeu Moisés ao povo: Não temais; Deus veio para vos provar e para que o seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis" (Êxodo 20:20). "Andareis em todo o caminho que vos manda o Senhor, vosso Deus, para que vivais, bem vos suceda, e prolongueis os dias na terra que haveis de possuir" (Deuteronômio 5:33).
Moisés disse em essência: "Deus não está irado com vocês. Este acontecimento majestoso não foi por causa disto. Não; Ele está querendo capacitá-los com Seu impressionante temor. Ele está tentando construir em vocês uma arma poderosa que os sustentará diante do inimigo. E está fazendo isto para que vivam em vitória todos os dias da vida."
À esta altura, contudo, aquele fogaréu incrível havia desaparecido. O terrível e ruidoso trovão e os relâmpagos sobrenaturais tinham acabado, e a indescritível voz de Deus silenciara. Agora, então, os líderes foram a Moisés trazendo os seus "interesses". À superfície suas palavras soavam muito religiosas: "Vimos o quanto o Senhor é grande e glorioso. E fomos privilegiados por ouvir Sua voz audível. Agora sabemos que é possível ouvir Sua divina voz e viver." Até aqui, tudo bem.
No entanto, a seguir veio uma das argumentações mais estranhas de toda a Bíblia. Os líderes disseram a Moisés: "...hoje, vimos que Deus fala com o homem, e este permanece vivo. Agora, pois, por que morreríamos? Pois este grande fogo nos consumiria; se ainda mais ouvíssemos a voz do Senhor, nosso Deus, morreríamos. Porque quem há , de toda carne, que tenha ouvido a voz do Deus vivo falar do meio do fogo, como nós ouvimos, e permanecido vivo?" (Deuteronômio 5: 24-26). Tinham acabado de ouvir a voz de Deus e tinham sobrevivido. Que estranha lógica é esta?
Disseram a Moisés: "Sabemos que podemos ouvir Deus falar do meio do fogo, e sobreviver. Contudo, se tivermos de nos sentar em baixo de Sua voz direta, pura, santa, seremos consumidos. Morreríamos para que? De todos os povos do mundo, somos nós que ouvimos a voz de Deus e vivemos."
Mas o Senhor sabia o que estava em seus corações. Disse a Moisés: "Eu ouvi as palavras deste povo, as quais te disseram; em tudo falaram eles bem" (verso 28). Deus estava dizendo, em outras palavras: "As palavras do povo soam bem porque conhecem o linguajar religioso certo. A linguagem é a de um povo humilde, obediente - como se possuíssem genuíno temor de Mim."
A seguir o Senhor nos dá uma dica quanto ao que realmente está acontecendo: "Quem me dera que eles tivessem tal coração, que me temessem e guardassem em todo o tempo todos os meus mandamentos, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos, para sempre!" (verso 29).
Eles honravam a Deus com os lábios, mas seus corações estavam distantes dEle. Citando Isaías: "...este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu" (Isaías 29:13). Os israelitas eram tão devotos à suas pequenas imagens de ouro, que nada os afastava da adoração idólatra. Nem uma montanha em chamas, nem um terremoto sobrenatural, nem um trovão de partir a terra em duas conseguia soltá-los da idolatria. Finalmente até ignoraram a voz audível de Deus, em toda Sua santidade e majestade.
Quando os anciãos de Israel disseram: "Precisamos de uma mensagem mais leve, caso contrário morreremos" como estavam certos. Toda vez que você se coloca sob a pregação do Espírito Santo, ouvindo a ungida e convincente palavra, você certamente vai morrer. Quer dizer, vai morrer para os seus pecados.
Atualmente milhares de crentes se aglomeram para ouvir pregadores que nada sabem sobre o temor de Deus. E é exatamente por isto que os israelitas clamavam. Pouco depois de ouvirem a voz de Deus lhes falando de maneira audível, estavam novamente se pegando a seus ídolos. Seus louvores ao Senhor foram meros elogios falsos, vazios e sem significado.
Se fôssemos traduzir o pedido dos israelitas em termos modernos, soaria assim: "Parem com esta pregação negativa. Não queremos mais ouvir nenhuma mensagem assustadora do tipo dia do juízo final. Estas mensagens só produzem culpa desnecessária. Preguem para nós sobre o amor e o perdão de Deus; afinal de contas, somos apenas humanos. O nosso Senhor tem a ver com o amor - não com a ira e o medo."
Há pouco um homem escreveu o seguinte ao nosso ministério: "Não sei quem me colocou em sua lista de correspondência, mas por favor remova meu nome imediatamente. Não suporto seu evangelho azedo e a sua martelação contra o pecado. Ninguém é perfeito, nem você. Chega deste seu evangelho condenatório (da versão bíblica) King James."
Isaías falou deste tipo de resposta: "Porque povo rebelde é este, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do Senhor. Eles dizem aos videntes: Não tenhais visões; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos cousas aprazíveis, profetizai-nos de ilusões; desviai-vos do caminho..." (Isaías 30: 9-11).
A palavra "aprazíveis" neste versículo significa "bajulação". Israel disse, em poucas palavras: "Chega de nos falar de coisas ruins. Fale de como as coisas vão ficar boas. Descreva como vamos prosperar, as grandes coisas que nos aguardam. Caso contrário, pode ir embora." Nenhum crente que esteja escondendo pecado no coração, alguma vez vai querer ouvir uma palavra santa que exponha o pecado. Esta pessoa sempre fugirá da voz da verdade proveniente do Espírito Santo. E vai buscar algum pastor que seja flexível diante do pecado, e que ofereça conversinha suave e profecias lisonjeiras.
Então, você pergunta, qual foi a dura mensagem que a voz de Deus trouxe ao seu povo no Monte Sinai? Ele simplesmente disse isto: "Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura...não as adorarás, nem lhes darás culto..." (Deuteronômio 5: 6-9).
Aqui estava a pura e não adulterada palavra do Senhor, vinda diretamente de sua boca. Ela deveria ter mandado o povo voando à suas tendas para esmagar suas imagens gravadas. Ela deveria ter mexido em seus corações e os colocado de joelhos. Mas em vez disto, gritaram: "Chega de trovão, de fogo, de terremoto. Chega de voz audível falando com a gente. Arranjem um porta-voz igual a nós, e deixem que ele fale conosco. Aí então vamos ouvir e obedecer."
O Espírito do Senhor veio sobre Moisés, e ele profetizou o seguinte:
"O Senhor, teu Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a mim; a ele ouvirás, segundo tudo o que pediste ao Senhor, teu Deus, em Horebe, quando reunido o povo: Não ouvirei mais a voz do Senhor, meu Deus, nem mais verei este grande fogo, para que não morra. Então, o Senhor me disse: Falaram bem aquilo que disseram. Suscitar-lhes-ei um profeta do meio de seus irmãos, semelhante a ti, em cuja boca porei as minhas palavras, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar. De todo aquele que não ouvir as minhas palavras, que ele falar em meu nome, disso lhe pedirei contas" (Deuteronômio 18: 15-19).
Para simplificar, Deus atenderia o pedido de Israel através de duas maneiras:
1. Primeiro, Ele falaria ao Seu povo através de homens pelos próximos 1.500 anos. Usaria profetas, juizes, videntes e reis como Seus justos porta-vozes. Em verdade, durante quarenta anos Deus colocou Sua palavra na boca de Moisés, para falar àquela geração. Estevão testificou que Moisés recebeu "palavras vivas" de Deus na montanha (Atos 7:38).
Contudo, através dos séculos, Israel se recusou a ouvir ao Senhor. "A quem nossos pais não quiseram obedecer; antes, o repeliram e, no seu coração, voltaram para o Egito" (v. 39). Tornaram-se em "...geração obstinada e rebelde, geração de coração inconstante, e cujo espírito não foi fiel a Deus" (Salmo 78:8).
Geração após geração Deus fez exatamente o que o povo pediu, pois falou a eles através de homens. No entanto, como Deus afirmou através de Isaías à geração que se seguiu: "...falei, e não atendestes; mas fizestes o que é mau perante mim e escolhestes aquilo em que eu não tinha prazer" (Isaías 65:12). Deus disse a mesma coisa através de Jeremias:
"Desde o dia em que vossos pais saíram da terra do Egito até hoje, enviei-vos todos os meus servos, os profetas, todos os dias; começando de madrugada, eu os enviei. Mas não me destes ouvidos, nem me atendestes; endurecestes a cerviz e fizestes pior do que vossos pais. Dir-lhe-ás, pois, todas estas palavras, mas não te darão ouvidos; chamá-lo-ás mas não te responderão. Dir- lhe-ás: Esta é a nação que não atende à voz do Senhor, seu Deus, e não aceita a disciplina; já pereceu, a verdade foi eliminada da sua boca" (Jerem. 7:25-28).
Em Sua misericórdia, Deus falou a Seu povo de todas maneiras possíveis, admoestando, solicitando, amando, ameaçando. E falou tão claro que não poderia haver engano quanto aos Seus desejos. Mesmo assim o povo continuamente se fez de surdo para Ele.
2. Deus também falaria a Israel de uma segunda maneira. Ele prometeu lhes enviar um profeta, e passariam 1.500 anos desde a cena no Monte Sinai até que este Homem aparecesse. Este profeta é Cristo. "Foi Moisés quem disse aos filhos de Israel: Deus vos suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim" (Atos 7:37).
Na Nova Aliança Deus escolheu nos falar nestes últimos dias através de Jesus: "Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as cousas, pelo qual também fez o universo" (Hebreus 1:1-2),
Então, por que Deus esperou 1.500 anos para cumprir a profecia de Moisés a Israel? Ele o fez porque estava aguardando com grande paciência todos estes anos, para ver obediência da parte do Seu povo. Sua demora foi um ato de misericórdia.
Jesus refere-se à paciência de Deus na parábola do proprietário da vinha. O proprietário ficou enviando os seus servos para pedir os frutos aos trabalhadores do campo. Enviou-lhes um mensageiro após o outro, mas sem proveito. Finalmente o proprietário resolveu: "Enviarei o meu próprio filho. Talvez o respeitem o suficiente para prestarem atenção e me honrarem" Mas ainda se recusaram a responder. E, enfurecidos, até mataram o filho do proprietário da vinha.
É exatamente isto que aconteceu com Israel. Por geração após geração, Deus enviou seus porta-vozes ao povo, mas eles continuamente se recusaram a ouvir. Em verdade, estavam tão determinados a se agarrem a seus pecados, que mataram o porta-voz filho, Jesus.
Deus ainda nos fala claramente hoje. Sua voz celestial está soando poderosamente por toda a terra. E esta voz vem através de um homem, Jesus, que está assentado à destra do Pai. Atente à estas palavras de Hebreus:
"Ora, não tendes chegado ao fogo palpável e ardente, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, e ao clangor da trombeta, e ao som de palavras tais, que quantos o ouviram suplicaram que não se lhes falasse mais, pois já não suportavam o que lhes era ordenado: Até um animal, se tocar o monte, será apedrejado. Na verdade, de tal modo era horrível o espetáculo, que Moisés disse: Sinto-me aterrado e trêmulo! Mas tendes chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e à incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia e igreja dos primogênitos arrolados nos céus, e a Deus, o Juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados, e a Jesus, o Mediador da nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala cousas superiores ao que fala o próprio Abel. Tendes cuidado, não recuseis ao que fala. Pois, se não escaparam aqueles que recusaram ouvir quem, divinamente, os advertia sobre a terra, muito menos nós, os que nos desviamos daquele que dos céus nos adverte, aquele, cuja voz abalou, então, a terra; agora, porém, ele promete, dizendo: Ainda uma vez por todas, farei abalar não só a terra, mas também o céu. Ora, esta palavra: Ainda uma vez por todas significa a remoção dessas cousas abaladas, como tinham sido feitas, para que as cosas que não são abaladas permaneçam" (Hebreus 12: 18-27).
Você entendeu a mensagem desta passagem? Quando Deus falou a primeira vez, o povo respondeu: "Não nos fale mais do céu. Fale-nos através de um homem." E Moisés profetizou: "Assim como pediram, Deus vai levantar um profeta. Ele vai ser inteiramente humano e lhes falará as palavras de Deus."
Jesus foi o profeta prometido. Ele foi o Deus encarnado, o Senhor em carne humana. Teve um ministério sobre a terra como homem, e uma multidão de testemunhas O viu ascender aos céus como homem. Agora Ele possui um corpo místico, que é a Sua igreja. Mas Jesus ainda é um homem feito de carne, ainda tocado pelas emoções humanas que todos experimentamos.
Hoje, nestes últimos dias, Deus fala mais uma vez do céu. E está nos dizendo que irá abalar tudo que está à vista: "Aquele, cuja voz abalou, então, a terra; agora, porém, ele promete, dizendo: Ainda uma vez por todas, farei abalar não só a terra, mas também o céu" (Hebreus 12: 26).
Deus está dizendo essencialmente: "Abalei a terra no Monte Sinai. Mas ao falar nestes últimos dias, minha voz abalará tanto o mundo natural quanto o mundo espiritual. O status quo vai tremer; nada permanecerá como é. Tudo que é chamado de religioso, tudo que é de Cristo ou da igreja, será abalado pela voz do meu Filho falando do céu."
Deus advertiu a Israel de que todo aquele que se recusar a ouvir ao Seu profeta será chamado a prestar contas: "De todo aquele que não ouvir as minhas palavras, que ele falar em meu nome, disso lhe pedirei contas" (Deuteronômio 18:19). Ele estava dizendo: "Vou rastrear cada uma das desobediências, e você responderá por elas."
As escrituras revelam que aqueles que ignoraram as palavras dos profetas de Deus foram à ruína. Ficaram mirrados e amargos, e morreram sem nenhuma alegria ou paz. "Tendes cuidado, não recuseis ao que fala. Pois, se não escaparam aqueles que recusaram ouvir quem, divinamente, os advertia sobre a terra, muito menos nós, os que nos desviamos daquele que dos céus nos adverte" (Hebreus 12:25).
Amado, não escaparemos da ira de Deus nem como nação e nem como indivíduos. E agora mesmo a voz de Jesus está abalando todas as nações, levando instituições, líderes e economias a tremer. Ele diz aos ventos e aos elementos: "Assoprem sobre a terra." Diz às nuvens: "Detenham as chuvas." Diz às economias mundiais: "Toda ambição será julgada." Estamos vendo estes terríveis abalos agora mesmo na Ásia, no Brasil, México, Argentina.
Deus está também ordenando: "Prisões: abalem-se. Governos: abalem-se. Sistemas financeiros: abalem-se. Escolas: abalem-se. Forças militares: abalem-se. Tribunais e legislaturas: abalem-se. Tudo sobre a terra: estremeça até que não reste alicerce algum senão o Senhor."
Não é o diabo que está agitando tudo. O mundo inteiro está sendo abalado pela voz do Cristo vitorioso. O Homem em glória ascendeu em poder ao Seu trono, e está proferindo as palavras que abalam todas as coisas.
Neste instante, Deus está fazendo uma faxina na casa. De acordo com Hebreus, a única razão pela qual Jesus derramará Seu Espírito nestes últimos dias será para abalar a casa de Deus. Tudo que não for santo, tudo que for impuro ou da carne será abalado, varrido, exterminado.
O nosso ministério recebe cartas desoladas de preciosos santos que sofrem com o que vêem acontecer em suas igrejas. Há um clamor constante para "novidades", e coisas horrendas estão sendo introduzidas diariamente: manifestações carnais, práticas ridículas. Em uma igreja, ouro em pó cai do teto como chuva.
Uma pessoa escreve dizendo que toda semana sua igreja apresenta concertos de punk-rock, com artistas que se parecem e agem como grupos seculares, influenciados pelo diabo. Outros nos escrevem falando sobre adoração com coreografia que mais parece com a Broadway ou com um nightclub, do que com igreja. Outros ainda escrevem falando a respeito de pregações vazias, áridas, permissivas.
Quero lhes dizer: tudo isto está prestes a acabar. O Senhor vai falar poderosamente, expondo tudo que for falso, lascivo, cheio de avidez. Todo falso profeta obcecado pelo dinheiro vai tremer porque uma quebra econômica o irá sacudir e tirar dos negócios.
Como vai acontecer este abalo e esta exposição? Acontecerá através de um Homem, Jesus. Ele promete falar com todos que estão vivendo em pecado, em desobediência, se ligando à coisas que Sua palavra condena. E Sua voz será inconfundivelmente clara.
Primeiro Ele falará ternamente a todo desviado que se desgarrou. Dirá: "Por que você não ouviu o meu pedido para que retornasse? Por que ficou surdo ao meu convite para se arrepender e ser restaurado? Venha a Mim já, antes que a sua vida seja abalada até à base."
Porém Jesus falará também com homens e mulheres piedosas que perseveram na verdade, na pureza e na santidade. Agora mesmo está levantando pessoas cujos corações receberam a Sua palavra que abala, que convence. Estas pessoas estão trancadas com o Senhor e Este lhes dará poder para que falem por Ele.
Então: como o Senhor vai falar a você? Você está recebendo Sua palavra perturbadora, e permitindo que ela trabalhe em seu coração? Ou está tendo uma vida dupla, ainda cedendo à fornicação, ao adultério, ao ódio, à amargura?
Se você afirma: "Cristo é o meu Senhor", e ainda tem pecado oculto na vida, você pode saber que O ouvirá falar. Ele dirá: "Por que você não retornou à minha graça? Por que a rejeitou o tempo todo? Você ouviu meu chamar amoroso. Você experimentou o meu carinho amoroso. Contudo está desprezando tudo isto. Por que?"
Os israelitas estavam tão entregues à luxúria, que se apegaram à ela até diante do fogo consumidor de Deus . E o mesmo está acontecendo hoje na igreja. Deus claramente declarou que o julgamento começará por Sua casa. E Paulo escreve que se continuamos em nosso pecado, seremos entregues à Satanás para a destruição da carne, para que nossas almas possam ser salvas.
Contudo, aqui estão as boas notícias. Este abalo sobrenatural, a limpeza da casa de Deus, tanto no país quanto na igreja, resultará em um alicerce inabalável. Ele produzirá uma igreja santa, aparada, que ostenta um remanescente de santos que andam em temor a Deus e na justiça de Cristo.
Possuiremos uma comunhão como nunca conhecemos antes. Teremos alegria indizível. E desejaremos ardentemente ouvir a aterrorizante voz de Deus.

Copyright/Limitações para reproduções: a publicação destes arquivos é propriedade exclusiva de World Challenge, Inc. Ela pode ser impressa na totalidade de seus textos para o uso pessoal do leitor, ou visando passá-la adiante para familiares ou amigos. Ela não pode ser alterada ou editada de modo algum e toda reprodução desta publicação deve conter essa nota de copyright. Este material não é para ser colocado ou transmitido publica/eletronicamente a nenhum site, página ou FTP senão os seguinte: worldchallenge.org, davidwilkerson.org, ou tscpulpitseries.org.